> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Café Cultural
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Bom dia
Sexta-Feira , 24 de Outubro de 2014
>> Notícias
   
 
Federais estão entre as melhores no ensino médio


O Estado de São Paulo - 04.04.08

5 escolas públicas estão entre as 20 melhores no ensino médio

Dados do MEC trazem desempenho dos alunos no Enem; Entre as públicas, todas são federais ; Das privadas, 8 têm ligação com entidades religiosas ; Rio e SP predominam no topo da lista ; Nordeste aparece com 5

Lisandra Paraguassú, BRASÍLIA

Os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2007 confirmam uma tendência: o melhor desempenho dessa etapa da educação no País está associado a escolas particulares e federais. Das 20 escolas que estão no topo da lista no exame do ano passado, 15 são privadas e 5 públicas. Dessas, todas são federais, ligadas a universidades ou Centros Federais de Educação Tecnológica (Cefets). Essas instituições normalmente têm orçamento alto e processo de seleção criterioso, diferenciando-as das redes estaduais e municipais.

Mesmo quando se considera apenas as escolas públicas (que também englobam as redes mantidas pelos Estados e municípios), as federais se mantêm na frente - das 20 primeiras, apenas 3 são escolas estaduais e, mesmo assim, incluem duas técnicas e o colégio de aplicação da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).

A participação no Enem não é obrigatória, mas no ano passado cerca de 3 milhões de alunos prestaram o exame, dos quais 1 milhão terminou o ensino médio em 2007. Os estudantes fizeram inscrição por conta própria, normalmente motivados pela possibilidade de usar o resultado em processos seletivos de instituições de ensino superior e no Programa Universidade para Todos (ProUni), do governo federal.

Por isso, nem todas as escolas participantes têm seus resultados divulgados pelo Ministério da Educação. Algumas não têm número suficiente de inscritos no Enem para que se obtenha uma amostra confiável de seus resultados. Entre as que têm a nota divulgada é possível fazer comparação porque o ministério usa uma fórmula para corrigir a diferença do total de participantes. O ranking leva em consideração a média dos alunos na prova objetiva com essa correção.

DIFERENÇAS

A região Sudeste domina os bons resultados. É no Rio onde estão seis das melhores escolas do País, incluindo os três primeiros lugares no Enem. São Paulo tem cinco, porém a primeira escola só aparece em sexto lugar no ranking geral. As exceções a esse padrão nacional são duas escolas de Teresina (PI), duas do Recife e uma da Bahia.

Mesmo entre as escolas públicas o padrão é semelhante. No entanto, entram aí escolas de cidades do interior, como Barbacena, Juiz de Fora e Cubatão - isso graças ao predomínio de colégios técnicos e ligados a universidades federais. Quando se retira as escolas federais da conta, as melhores públicas do País se concentram nas técnicas, basicamente em São Paulo. Das 20 melhores, apenas o Instituto de Aplicação da Universidade Estadual do Rio de Janeiro e o Centro de Ensino Médio Tiradentes - escola estadual ligada à Brigada Militar gaúcha - não são técnicas.

Uma das explicações para esses resultados é que, mesmo sendo públicas, essas escolas recebem alguns dos melhores estudantes. Tanto as técnicas, sejam elas federais ou estaduais, como os colégios de aplicação e mesmo o centro Tiradentes (Porto Alegre) têm centenas de candidatos e seleções rigorosas para admissão. Entre as escolas privadas, a concentração no Sudeste se mantém. Das 20 melhores, 15 estão na região. Mas o Sul, tradicionalmente associado à qualidade de ensino, não entra no ranking.

As outras cinco melhores escolas estão no Nordeste. Uma das representantes do Piauí, o Educandário Santa Maria Goretti, ficou fora das 20 primeiras no ano passado, mas apareceu como oitava melhor nacional neste ano e a sétima entre as privadas. “Nós sempre temos bons resultados nas melhores universidades do País”, afirma a diretora da escola, Tércia Leal. “Nossa receita inclui poucos alunos por turma, não mais do que 30, e acompanhamento integral. Qualquer dificuldade que tiver, o aluno vai encontrar o apoio. É uma assistência quase individual.”

Um dos fatos que chamam a atenção é a média obtida pelos estudantes das melhores escolas d

http://www.estado.com.br/editorias/2008/04/04/ger-1.93.7.20080404.11.1.xml

Jornal O Estado de São Paulo

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader