> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Boa tarde
Sexta-Feira , 30 de Setembro de 2022
>> Notícias
   
 
Violência escolar: UFSCar exportará projeto


Folha Online - 03.12.09

UFSCar vai "exportar" projeto contra a violência em escolas


da Folha Ribeirão

A UFSCar (Universidade Federal de São Carlos) irá "exportar" um projeto iniciado em escolas municipais de São Carlos contra a violência. O programa financiado pelo Ministério da Educação deverá ser implantado em 20 escolas paulistas, incluindo as da capital.

O projeto capacita professores para identificar sinais que mostram que a criança é vítima de algum tipo de violência, como abuso sexual, ou negligência.

Outro aspecto importante é que, depois de perceber os sinais, o professor saiba como fazer o melhor encaminhamento do problema às autoridades, como Conselho Tutelar e Promotoria da Infância e Juventude.

O projeto é coordenado pelo Laprev (Laboratório de Análise e Prevenção da Violência), iniciado em 2003 e estendido a cidades vizinhas.

Neste ano, o Laprev passou a incluir a formação de professores de Catanduva, onde foi descoberta uma das maiores redes de pedofilia do país com suspeita de abusar, direta ou indiretamente, de 61 crianças.

Até este ano, a UFSCar figurava como a única instituição do Estado a capacitar professores via projeto Escola que Protege, do MEC. No ano que vem, passa a participar a Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

Em São Carlos, nos três anos do projeto, foram capacitados 300 professores e funcionários municipais. Segundo a secretária da Educação de São Carlos, Lourdes Souza Moraes, o projeto já surtiu efeito.

"Tivemos casos de professores que, depois do curso, tiveram coragem de denunciar alguns casos de violência que viram, um deles até de abuso sexual, e fazer o encaminhamento correto."

A capacitação acontece em seis encontros de dez horas, durante seis meses. O primeiro passo é sensibilizar o profissional para admitir a existência da violência.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/educacao/ult305u661121.shtml

Folha de São Paulo

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader