> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Boa tarde
Segunda-Feira , 26 de Setembro de 2022
>> Notícias
   
 
Estado deve ter estrutura para aplicar Enem


Folha Online - 22.12.09

Estado deve ter estrutura própria para aplicar Enem, diz novo presidente do Inep


da Agência Brasil

Ao ser apresentado como novo presidente Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) nesta segunda-feira, Joaquim Soares Neto, 50, disse que o Estado deve ter uma estrutura própria para aplicar a maior avaliação pública do país, o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

Neto afirmou que seu trabalho terá como foco a segurança e disse que espera contar com a participação da Polícia Federal e dos Correios, como ocorreu na última edição do exame, realizada nos dias 5 e 6 de dezembro.

\"Vou focar na segurança e na estrutura do exame. O que o Estado brasileiro não pode é não ter uma estrutura adequada para isso\", disse. \"A entrada da Polícia Federal no último exame trouxe muita segurança, além dos Correios, especializados em logística de distribuição, que foram fundamentais.\"

Neto disse que trabalha com avaliação educacional desde a década de 1990 e tem contato com as ações desenvolvidas pelo Inep há muito tempo. Ele ressaltou o objetivo da criação do instituto, em 1937, para obter informações ligadas ao sistema educacional do país e tomar decisões estratégicas para o seu aperfeiçoamento, e reforçou a importância do Enem neste sentido.

\"O Enem está na base do futuro do país, é a base da democratização da inteligência e das vagas públicas para o jovem inteligente e, do ponto de vista de sua estrutura, o Inep vai fazer tudo o que for necessário para isso\", afirmou.

O novo presidente do Inep concordou com a avaliação do ministro da Educação, Fernando Haddad, de que os concursos públicos estão vivendo um problema grave, com várias ocorrências de fraudes. Para Neto, um processo licitatório que envolva a escolha das entidades responsáveis pela aplicação de provas como o Enem ou de outro concurso público não pode levar em conta apenas o preço.

\"Uma instituição que não tem estrutura e tem o preço lá embaixo, vai economizar em quê? Em segurança?\", questionou Neto, reforçando a intenção do governo de ter um sistema próprio para realização do Enem. \"A estrutura dos concursos públicos tiveram problemas e muitos deles na área de segurança. Segurança exige investimento em segurança e experiência em segurança. É preciso ter uma estrutura para isso.\"

Demissão

Neto, que ocupava o cargo de diretor do Cespe (Centro de Seleção e Promoção da Universidade de Brasília), substitui Reynaldo Fernandes, que pediu demissão após um acordo com o ministro.

O principal problema enfrentado pelo Inep neste ano foi o vazamento da prova do Enem, que deveria ocorrer nos dias 3 e 4 de outubro para 4,1 milhões de estudantes. Apesar disso, Haddad disse que não culpava Fernandes pelo problema.

O Ministério da Educação suspendeu a prova e cinco pessoas foram denunciadas pelo vazamento. O exame foi adiado para o início de dezembro, o que prejudicou o calendário de diversas instituições de ensino superior.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/educacao/ult305u669820.shtml

Agência Brasil

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader