> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Bom dia
Quarta-Feira , 28 de Setembro de 2022
>> Notícias
   
 
Curso para jovens da Fundação CASA


Portal do Governo do Estado de São Paulo - 08.01.10

Curso coloca jovens da Fundação CASA no mercado de trabalho

Projeto Construtores do Amanhã ajuda a resgatar a cidadania dos adolescentes

Marcelo(*), 18 anos, tem esposa e filha. Já trabalhou em feira livre e lava-rápido. Foi ajudante geral e montador de telhados. Há cerca de oito meses, voltou à Fundação CASA. Conta que, desempregado, a situação em sua casa ficou difícil e acabou se envolvendo com roubo. Agora, em liberdade assistida, o jovem tem a possibilidade de retornar ao mercado de trabalho. A oportunidade surgiu com o curso de instalador de hidráulica, iniciativa da ONG Bem Querer Assistência Social em parceria com a Fundação Casa (por meio da Divisão Regional da Vila Maria), com o apoio de empresas privadas.

As aulas teóricas e práticas mais a oportunidade dada por empresas parceiras do ramo da construção civil permitem a recolocação de Marcelo e outros jovens no mercado profissional. O curso faz parte do Projeto Construtores do Amanhã. A ideia ainda é organizar cursos de pedreiro, azulejista, carpinteiro, eletricista e armador, aproveitando a expansão do emprego na área da construção civil nos últimos anos. Só em São Paulo, segundo o Sindicato da Indústria da Construção Civil (SindusCon-SP), a expectativa é que serão abertas cerca de 50 mil vagas neste ano.

O diretor da Divisão Regional da Vila Maria, da Fundação CASA, Sérgio de Oliveira destaca que o curso vai além de questões conceituais, teóricas e práticas, pois "resgata o cidadão". Os adolescentes, segundo ele, se sentem tão excluídos que, mesmo antes de entrarem na Fundação, desconhecem seus direitos como cidadãos. Com o aprendizado, passam a enxergar sua capacidade, habilidade e competência à medida que os módulos avançam. "A maior importância do curso é o jovem se perceber como o verdadeiro protagonista de sua história", ressalta.

Diferencial

Duas turmas de internos da Regional da Vila Maria receberam a formação. A divisão da Fundação CASA é composta pelas unidades São Paulo, Abaeté, Bela Vista, Ouro Preto, Nova Vida, Paulista, Itaquá, Casa Itaquá e Semiliberdade Alvorada. Também participam pessoas da comunidade - maridos de gestantes e pais de famílias desempregados. A primeira turma, por exemplo, formou 20 profissionais, 15 dos quais da Fundação Casa. Na seguinte, foram 30 formandos, 20 da instituição. Quanto à colocação no mercado, há oito integrantes da primeira turma trabalhando (cinco da Fundação) e 26 da segunda (sendo 16 da Fundação).

O ensino dura em média dois meses - 110 horas de aula. É ministrado por engenheiros e arquitetos da ONG e empresas parceiras. Para participar, basta saber ler e escrever. Em termos teóricos, os alunos aprendem o vocabulário usado na área de hidráulica (por exemplo, tubo, em vez de cano; adesivo, no lugar de cola) até a ler projetos e trabalhar com escalas. Na prática, fazem a montagem de toda a parte hidráulica, soldam tubos de diferentes tamanhos, entre outras atividades.

O contrato, com carteira assinada no dia da formatura, é por tempo indeterminado. Os jovens recebem salário aproximado de R$ 800 mais vale-transporte. Conforme determina a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), têm também de cumprir três meses de experiência. Mas, de acordo com Odilene Aniteli, presidente da ONG, todos têm sido aprovados e continuam trabalhando na empresa. "Eles chegam com um grande diferencial em relação aos que já trabalham no local: sabem ler escalas, fazer toda parte de esgoto, soldagem de tubos e instalação hidráulica de banheiro", argumenta.

Tutores

Ponto positivo do curso é manter na mesma turma pessoas da comunidade, afirma Odilene. Isso, inicialmente, propicia o entrosamento dos adolescentes que cumprem medida socioeducativa com o mundo fora da Fundação. Num segundo momento, quando os jovens vão para o canteiro de obras, os participantes da sociedade (com quem eles vão trabalhar) acabam apadrinhando-os, dando suporte em caso de dificuldades.

Quando não conseguem solucionar os problemas, os "padrinhos" entram em contato com os integrantes da ONG, que atuam como tutores, tanto do

http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/lenoticia.php?id=206994&c=6&q=Curso+coloca+jovens+da+Fundação+CASA+no+mercado+de+trabalho

Agência Imprensa Oficial

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader