> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Boa tarde
Sábado , 01 de Outubro de 2022
>> Notícias
   
 
Alimentação: ajuda mundial em xeque


envolverde.com.br - 08.01.10

Alimentação: Ajuda mundial em xeque

Por Fabiana Frayssinet, da IPS


Rio de Janeiro, 08/01/2010 – A mudança climática, que quadriplicou os desastres naturais na última década, e o crescimento da população mundial, estimada em nove bilhões de pessoas até 2050, apresentam novos desafios a iniciativas de ajuda como o Programa Mundial de Alimentação (PMA) da Organização das Nações Unidas. A advertência é de Gemmo Lodesani, diretor do escritório do PMA em Bruxelas, encarregado das relações com a União Europeia e de conseguir dinheiro para cumprir o principal mandato dessa organização: combater a fome no mundo.

Durante visita não oficial ao Brasil, Lodesani conversou com a IPS e recordou que três quartos dos mais de um bilhão de famintos no mundo são camponeses pobres. Considerados população vulnerável, esta população rural sofrerá majoritariamente as consequências do aquecimento global por calamidades como secas e inundações.

“Já vemos um impacto da mudança climática sobre os padrões de produção de comida. Sabemos que há áreas pobres do mundo que serão mais pobres por falta de chuva. Isto já acontece, a desertificação”, alertou Lodesani. “E é necessário cuidarmos disse agora e de maneira específica”, acrescentou este especialista que já coordenou programas de emergência em ajuda alimentar em países como Sudão e Costa do Marfim.

O informe desta agência da ONU intitulado “A mudança climática e a fome no mundo: Responder ao desafio” diz que até 2050 a porcentagem de pessoas desnutridas no mundo poderá aumentar de 10% a 20%. Nesse sentido, Lodesani destacou a necessidade de implementar programas específicos de desenvolvimento sustentável, vinculados à “utilização dos recursos da terra para produzir comida”, sem piorar ainda mais o meio ambiente.

Ao se referir aos biocombustíveis, produzidos por países como o Brasil, Lodesani disse que, embora por um lado reduzam a contaminação ambiental, é necessário continuar as investigações atuais para determinar suas desvantagens. Como a produção de biocombustível exige maior utilização de áreas cultivadas, o diretor do PMA chama a atenção para a necessidade de que isto não ocorra em detrimento das terras destinadas ao cultivo de alimentos, “sobretudo quando pensamos que nossa população será superior a nove bilhões de pessoas dentro de 40 anos”.

O aumento da população mundial, segundo Lodesani, é outra ameaça a ser enfrentada, “quando já há um bilhão de pessoas vivendo com nível nutricional abaixo do recomendado por órgãos internacionais como a Organização Mundial da Saúde”. Quando em 2050 os habitantes do planeta chegarem a mais de nove bilhões haverá novos desafios para garantir uma nutrição adequada e, assim, surge um novo círculo vicioso da pobreza a ser resolvido.

“Os mais de um bilhão de pessoas que passam fome hoje, três quartos são camponeses pobres. Isto quer dizer que aqueles que não tem um nível de nutrição suficiente para levar uma vida normal, e sobretudo uma vida produtiva, são os mesmo que teriam de produzir”, acrescentou Lodesani. Nos últimos anos, o PMA priorizou as compras de comida para seus programas de ajuda alimentar às nações em desenvolvimento. O diretor do PMA recordou que nos últimos três anos isto representou 80% das compras totais, em valores próximos de US$ 2,5 bilhões, quase US$ 1,5 bilhão para os países africanos, apenas em 2008.

“O que pretendemos fazer agora é ir o mais perto possível de onde a comida é produzida. Antes comprávamos a partir dos sistemas comerciais existentes, o que é bom, mas estes nem sempre beneficiam os pequenos produtores pobres”, destacou Lodesani ao se referir à iniciativa do PMA chamada “Compras para o Progresso”. Esse programa pretende criar as condições para que os camponeses pobres tenham acesso ao mercado e com isso possam ter um ganho a mais, além de garantir com sua produção as necessidades de sobrevivência de suas famílias.

O programa, aplicado com a ajuda da União Europeia em países como Honduras e Moçambique, busca esse acesso ao mercado melhorando a qualidade dos produtos e acondicionado-os de

http://envolverde.ig.com.br/materia.php?cod=68015&edt=1

Envolverde/IPS

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader