> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Boa tarde
Sábado , 01 de Outubro de 2022
>> Notícias
   
 
Ensino médico, um cenário intolerável


jt.com.br - 11.01.10

Ensino médico, um cenário intolerável

MÉDICO ANESTESIOLOGISTA, CONSELHEIRO DO CONSELHO REGIONAL DE
MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO ( CREMESP) E PRIMEIRO SECRETÁRIO DO CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM)

Desiré Carlos Callegari

O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) promoveu em 2009, pelo 5.º ano consecutivo, o Exame do Cremesp, que avalia o desempenho dos estudantes do 6.º ano de Medicina das escolas médicas do Estado de São Paulo.

O número de participantes na 5.ª edição do Exame do Cremesp foi significativo, pois correspondeu a aproximadamente 25% do universo de 2.600 egressos de 25 escolas. Mas o alto índice de reprovação no exame de 2009 confirma a precariedade do ensino médico.

Há uma deterioração progressiva da qualidade da graduação em Medicina, lembrando que a situação pode ser pior. Por causa do caráter facultativo do exame, supostamente os alunos mais bem preparados demonstram maior interesse em participar da avaliação.

O Exame do Cremesp mede o desempenho dos participantes conforme áreas do conhecimento. E mais uma vez ficou evidente que é ruim a formação dos estudantes em campos essenciais do conhecimento médico.

Questões com índices baixíssimos de acertos revelaram a falta de conhecimento dos futuros médicos na solução de problemas com grande demanda da população. Muitos desconhecem a solução de situações comuns, como algumas relacionadas ao atendimento em urgência e emergência, à assistência a gestantes e crianças, ao diagnóstico, tratamento adequado ou definição de meningite, hepatite e gripe suína, dentre outros exemplos.

Depois de 5 anos de aplicação do Exame do Cremesp, passado o tempo de observação e análise, agora é crucial a tomada de posições. Queremos dizer às autoridades da educação, da saúde e ao Poder Legislativo que estamos diante de um cenário intolerável.

O fato é que muitas escolas médicas mantêm cursos medíocres, os graduandos não adquirem a competência mínima necessária e, com isso, colocam em risco a vida e a saúde da população.

Assim, o Cremesp defende a aprovação, pelo Congresso Nacional, de lei que estabeleça a obrigatoriedade de exame nacional, como condição para a obtenção do registro profissional de médico nos Conselhos Regionais de Medicina.

Ao mesmo tempo, solicitando ao MEC que “congele” o processo de abertura de novos cursos de Medicina até que seja concluída a avaliação criteriosa das escolas já existentes, com diminuição do número de vagas e até mesmo fechamento das instituições de ensino sem condições de funcionamento. E, por fim, devem ser incentivados e apoiados processos permanentes de avaliação, realizados pelas próprias escolas médicas, ao longo da graduação.

http://txt.jt.com.br/editorias/2010/01/11/opi-1.94.8.20100111.2.1.xml

Jornal da Tarde

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader