> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Boa noite
Domingo , 25 de Setembro de 2022
>> Notícias
   
 
Governo de São Paulo pretende abrir 33,5 mil vagas


oglobo.globo.com - 02.02.10

Governo de São Paulo pretende abrir 33,5 mil vagas em 2010



Valor Online



SÃO PAULO - O governo do Estado de São Paulo também está expandindo a rede pública de ensino profissionalizante. Sem acesso ao programa Brasil Profissionalizado do governo federal, o ex-governador Geraldo Alckmin, secretário estadual de Desenvolvimento, pasta responsável pelo Centro Paula Souza, que administra as escolas técnicas paulistas (Etecs), pretende " não gastar um único centavo com tijolos " e ainda assim abrir 33,5 mil vagas até o fim do ano. A estratégia é usar salas de aula ociosas de escolas estaduais e dos Centros de Educação Unificados (CEUs), da prefeitura paulistana.

" Tem muita escola com sala de aula vazia à noite. No ano passado, fizemos convênios para utilizar essa capacidade ociosa de mais de 30 escolas e 17 CEUs com as Etecs. O fato importante é que não precisa fazer prédio novo " , explica Alckmin, acrescentando que os novos cursos serão limitados ao setor de serviços. " Vamos ceder professores do Paula Souza para ensinar comércio, turismo, informática, administração, gestão de pequenos negócios, contabilidade, cursos que demandam no máximo um laboratório de informática. "

Calculando de cabeça, o ex-governador prevê economia de até R$ 300 milhões. " Construir e equipar uma escola para 1,1 mil alunos sai por volta de R$ 7 milhões, R$ 8 milhões. Estamos falando de mais de 30 escolas. A economia pode ser ainda maior, porque aí não entra a compra de terrenos, não precisa gastar com limpeza, segurança, a Etec só entra com os professores. "

A meta do programa de expansão do governo tucano é ampliar as matrículas para 177 mil alunos nos cursos técnicos e regulares das Etecs - em São Paulo, o programa profissionalizante tem duração de 18 meses e o aluno precisa ter o diploma ou estar cursando simultaneamente pelo menos o segundo ano do ensino médio. Entre 2003 e 2009, as matrículas apenas dos cursos técnicos passaram de 62.514 para 115.529, uma taxa de crescimento de 85%. Fundado em 1969, o Centro Paula Souza administrava 126 escolas em 2006; hoje responde por 179.

Além da economia com a expansão das vagas, Alckmin relaciona as escolas técnicas com o dinamismo do mercado de trabalho. " Em uma cidade falta emprego, na outra, sobra. A lógica é fazer um casamento, ver o que o mercado de trabalho precisa. Podemos abrir uma escola técnica de administração hoje, mas não é um curso eterno, amanhã a microrregião pode não precisar mais de formar profissionais com esse perfil. "

Para o secretário de educação profissional e tecnológica do Ministério da Educação, Eliezer Pacheco, o avanço das matrículas dos cursos técnicos está relacionado com projetos de Estado. " Foram raros os momentos em que o Brasil teve projetos de nação. Tivemos com Getúlio, JK, Geisel e agora com Lula. Por mais que discordemos do regime, o Brasil na época do Geisel tinha plano de crescimento, autonomia energética, fortalecimento das estatais. Naquela época o ensino profissional era forte, estava relacionado com a necessidade de geração de mão de obra qualificada, assim como hoje.

(Luciano Máximo | Valor)

http://oglobo.globo.com/economia/mat/2010/02/02/governo-de-sao-paulo-pretende-abrir-33-5-mil-vagas-em-2010-915763426.asp

Valor Online

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader