> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Bom dia
Quarta-Feira , 28 de Setembro de 2022
>> Notícias
   
 
Museu de Arte Sacra expõe tesouros religiosos


Portal do Governo do Estado de São Paulo - 17.03.10

Museu de Arte Sacra expõe tesouros religiosos

Reabertura do espaço integra ações para espaço que completa 40 anos em 2010

Paulo César da Silva/IO
A abertura faz parte de uma série de atividades que serão desenvolvidas pelo Museu que chega aos 40 anos de idade em 2010Download Play
AnteriorPosteriorApós seis anos fechados à visitação pública, os tesouros religiosos do Museu de Arte Sacra podem ser vistos novamente pela população paulista. São anéis, coroas, lampadários, crucifixos, báculos em prata e ouro que pertenceram às diversas autoridades religiosas e algumas igrejas. A abertura faz parte de uma série de atividades que serão desenvolvidas pelo Museu que chega aos 40 anos de idade em 2010. Fundado em 1970 pelo Governo do Estado de São Paulo, em convênio com a Mitra Arquidiocesana, o acervo reúne mais de 4 mil peças de diversas tipologias diferentes, de diversos países e regiões diferentes do Brasil.

"A abertura foi um pedido especial dos visitantes que conheciam a coleção e queriam vê-la novamente. Graças a um cofre especial que garante a segurança necessária, pudemos abri-la para a visitação pública. É uma coleção importante com objetos que contam a história do Brasil dos séculos 16 ao 20", explica o coordenador do serviço educacional do Museu de Arte Sacra, Wagner Sacco.

Na sala especial, vários objetos chamam a atenção dos visitantes. Entre eles, a naveta, objeto utilizado para se colocar o incenso, antes de queimá-lo no turíbulo. O formato remete à barca de São Pedro. Além desse, o crucifixo que pertenceu ao cardeal Arcoverde (primeiro cardeal da América Latina) e um anel de bispo no qual há uma rosa esculpida em ametista.

Outra peça interessante que ganha destaque na exposição e na cultura religiosa paulista é a Coroa do Divino. A peça vem sempre acompanhada de um cetro do Imperador do Divino que são levadas por uma pajem nas procissões em honra do Espírito Santo na festa de Pentecostes.

História sacra

Obras de mestres como Aleijadinho, Anita Malfatti, Aldo Bonadei, Fúlvio Pennachi, Samson Flexor e Benedito Calixto estão expostas e mostram não apenas diversas técnicas e estéticas, mas também a extensa produção de arte sacra brasileira. Além das obras nacionais, nos corredores há peças portuguesas, peruanas, francesas e ícones russos.

A exposição está organizada de forma que é possível conhecer as diversas obras e compreender como a arte sacra brasileira se desenvolveu a partir da influência europeia.

Há uma sala dedicada à Matriz de Santo Amaro, cujas peças e altares foram resgatados antes de sua demolição. Já a coleção de lampadários é a segunda maior do mundo em variedade, perdendo somente para a coleção presente no Vaticano. Entre os vários lampadários está uma imagem de Nossa Senhora da Luz, originária de uma capela construída no local hoje ocupado pelo mosteiro. Essa imagem é um dos motivos pelos quais o bairro hoje é conhecido como Luz.

A coleção de 45 presépios provenientes de vários países e regiões do Brasil mostram como cada cultura representa de forma diferente a Natividade. O Presépio Napolitano é o mais impressionante, feito no século 18. Ele possui mais de 1,6 mil peças, e ocupa uma sala com 100 metros quadrados.

O Mosteiro da Luz foi construído em taipa de pilão, técnica construtiva amplamente utilizada em São Paulo por causa da inexistência da pedra e da cal na região. A terra, material disponível nos arredores da aldeia jesuítica, tornou-se a alternativa viável para a construção de igrejas, edifícios públicos e residências da época.

Fundado e construído por frei Antonio de Sant'Anna Galvão, em 1774, é considerado um dos mais importantes monumentos arquitetônicos coloniais paulistas do século 18. Encerrado na última chácara conventual urbana, no Bairro da Luz, foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) em 1943, e pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico e Arquitetônico do Estado de São Paulo (CONDEPHAAT) em 1979.

Serviço

Museu de Arte Sacra
Endereço: Av. Tiradentes, 676, Luz, São Paulo
E

http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/lenoticia.php?id=208514&c=6&q=Museu+de+Arte+Sacra+expõe+tesouros+religiosos+

Agência Imprensa Oficial

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader