> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Boa noite
Sábado , 24 de Setembro de 2022
>> Notícias
   
 
Universidades públicas planejam abertura de cursos


g1.com.br - 19.03.10

No sudeste, oito universidades públicas planejam abertura de cursos

Unifesp, USP, Uerj e Unifei são exemplos.
G1 fez levantamento junto a instituições.

Érica Polo e Fernanda Calgaro
Do G1, em São Paulo


Algumas entre as maiores universidades públicas da região sudeste do país estudam a inclusão de novos cursos em suas grades curriculares, segundo levantamento feito pelo G1.


Uma delas é a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que pretende inaugurar no ano que vem um campus, em Osasco, próximo à capital paulista, cujo foco será a área de negócios.


Os cursos que a universidade tem a intenção de oferecer são administração, ciências contábeis, ciências econômicas, ciências atuariais e relações internacionais.



De acordo com o pró reitor de graduação da Unifesp, Miguel Jorge, a instituição espera a liberação das vagas de docentes e funcionários dos cursos aprovados pelo Ministério da Educação (MEC). “Para que o campus seja inaugurado em 2011, precisamos nomear os funcionários até 3 de julho, porque estamos em ano eleitoral. Para cumprir esse cronograma, as vagas dos profissionais têm de ser liberadas até o final de março, para haver tempo de organizar os concursos”, explica.

As carreiras previstas para esse campus são novidade na instituição. Jorge diz que a Unifesp separa os campi por áreas de atuação. Por exemplo, entre eles, o de Santos, no litoral do estado de São Paulo, tem cursos voltados à área da saúde. Já em São José dos Campos, os alunos se formam em carreiras ligadas às áreas de tecnologia e engenharia.

Na Universidade Federal do ABC (UFABC), a ideia é ampliar o elenco de cursos de formação específica, oferecidos após os bacharelados de ciência e tecnologia e ciência e humanidades. “Não sabemos ainda se ocorrerá em 2011 ou 2012, estamos estudando”, diz o reitor Helio Waldman.


Esses dois bacharelados são os cursos base para quem passa no vestibular da instituição e duram três anos cada um. Depois de concluí-los, os alunos optam pelas especializações, com duração de um ano cada, exceto as engenharias, com período de dois anos.


Após concluir o bacharelado em ciência e tecnologia, atualmente, o universitário encontra 17 opções, entre elas as engenharias e matemática. Segundo Waldman, está em avaliação incluir engenharia do petróleo ou engenharia do carbono neste grupo de alternativas. Neurociências deve surgir como mais uma opção e poderá ser escolha dos alunos que cursarem quaisquer dos dois bacharelados iniciais.



A Universidade de São Paulo (USP) também terá uma novidade. A graduação em educomunicação foi aprovada em novembro do ano passado pelo conselho universitário, deve ser oferecido a partir de 2011 e totalizará 30 vagas no período noturno, disse o chefe do departamento de Comunicação e Artes, Ismar de Oliveira Soares.

Esse profissional, segundo a USP, poderá desempenhar, por exemplo, o papel de assessor a serviço das secretarias de comunicação das escolas, utilizando as linguagens da comunicação, artes e tecnologias de informação para melhorar a expressão comunicativa na comunidade escolar. "O educomunicador poderá levantar questões importantes, que preocupam psicólogos por exemplo, e promover encontros com os pais para discussões", exemplifica Soares.



Também em solo paulista, a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) estuda incluir um curso de direito à grade.





Ideia é dar continuidade no processo de interiorização da Uerj"
Rio de Janeiro


Na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), a novidade é o bacharelado de turismo no campus de Teresópolis, que deve ser oferecido já a partir de agosto deste ano. O curso é fruto de uma articulação entre a Faculdade de Economia, a Faculdade de Comunicação Social, o Instituto de Geografia e o Departamento de História.



“A ideia é dar continuidade no processo de interiorização da Uerj e atender a uma área com demanda turística do estado do Rio de Janeiro”, afirma o professor Glaucio Marafon, coordenador do curso de geografia.



Para preencher as 40 vag

http://g1.globo.com/Noticias/Vestibular/0,,MUL1531719-5604,00.html

g1.com.br

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader