> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Boa tarde
Segunda-Feira , 26 de Setembro de 2022
>> Notícias
   
 
Água doce e cristalina no porão do Mercosul


envolverde.com.br - 05.04.10

TERRAMÉRICA - Água doce e cristalina no porão do Mercosul

Por Marcela Valente*


O Aquífero Guarani permanece intocável como reserva imprescindível para um mundo cada vez mais sedento, segundo um estudo detalhado dos quatro países proprietários.

Buenos Aires, 5 de abril (Terramérica).- Escondido no subsolo de uma vasta área de Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, o Aquífero Guarani é uma das maiores reservas de água doce do planeta e, além do mais, não está superexplorado nem contaminado, embora dele se abasteçam milhões de pessoas. “A saúde geral do Aquífero é boa, mas é necessário cuidar das zonas de recarga” para evitar que seja contaminado por agrotóxicos e dejetos de assentamentos humanos, alertou ao Terramérica o argentino Jorge Santa Cruz, doutor em Ciências Naturais com especialização em Geologia.

Santa Cruz, professor da Universidade de Buenos Aires, foi, entre 2003 e 2009, coordenador técnico do Projeto para a Proteção Ambiental e Desenvolvimento Sustentável do Sistema Aquífero Guarani, a cargo dos quatro países que abrigam a reserva e que fazem parte do Mercosul. Os governos do bloco se comprometeram em manter o cuidado com o Aquífero e em dar continuidade com um trabalho conjunto para sua melhor gestão, disseram funcionários uruguaios ao apresentarem, no final de dezembro, em Montevidéu, os resultados da pesquisa financiada pelo Fundo para o Meio Ambiente Mundial, administrado pelo Banco Mundial.

O primeiro passo foi dado pelo Parlamento do Mercosul ao recomendar ao Conselho do Mercado Comum a criação do Instituto Regional de Pesquisas e Desenvolvimento da Água Subterrânea e da Proteção Ambiental, financiado pelo Fundo de Convergência Estrutural, independente e autárquico dos órgãos de gestão dos países membros. Santa Cruz recordou que 97% da água do planeta é salgada e apenas 3% doce. Deste total, 70% está em geleiras e calotas polares, 29% é água subterrânea e 1% está em rios, riachos e lagos.

“Da água subterrânea dependem para seu abastecimento diário dois bilhões de pessoas, bem como grande parte da agricultura irrigada e inúmeras indústrias em todo o planeta”, mas, em geral, a preocupação está centrada nos recursos que estão à vista, disse o especialista. O Guarani é um dos maiores aquíferos do mundo. Ocupa superfície de 1,2 milhão de quilômetros quadrados no sudeste da América do Sul, entre 12 e 35 graus de latitude sul e entre 47 e 65 graus de longitude oeste, segundo dados oficiais. O volume de água permanente é calculado em cerca de 45 mil quilômetros cúbicos e a recarga é de quase 200 quilômetros cúbicos por ano. Em alguns lugares, o recurso aflora e está a apenas 50 metros de profundidade e em outros chega a até 1.800 metros.

O Brasil é o país que abriga a maior parte do Aquífero, com 840 mil quilômetros quadrados, seguido da Argentina com 225,5 mil, Paraguai com quase 72 mil, e Uruguai com 58,5 mil quilômetros quadrados. Em algumas áreas, a água fica mais salobra, em outras pode chegar a conter arsênico ou flúor e não é potável, mas permite outros usos como o aproveitamento energético. “O Aquífero é excelente para abastecimento urbano, mas é preciso manejá-lo muito bem e cuidar onde aflora”, explicou ao Terramérica o especialista uruguaio em Hidrologia, Danilo Antón, que propôs o nome Guarani e trabalhou no projeto. A reserva é abastecida por rios, riachos e pela chuva em locais mais próximos da superfície, por onde pode haver infiltração contaminante, alertou.

Os técnicos também indicam, que o Brasil é o que mais o explora como fonte de água potável, com milhares de poços para cerca de 500 cidades, sendo a maior delas Ribeirão Preto, com um milhão de habitantes. No Paraguai há cerca de 200 perfurações, para abastecer populações rurais e uso agrícola, e no Uruguai 135, muitas usadas para finalidades turísticas graças ao fato de as águas apresentarem uma temperatura média superior a 40 graus.

No que os especialistas não chegam a um acordo é quanto à exploração geotérmica destas águas, como as das zonas termais do noroeste uruguaio ou de outros locais onde chegam a 65

http://www.envolverde.com.br/materia.php?cod=72264&edt=34

Envolverde/Terramérica

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader