> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Boa tarde
Segunda-Feira , 26 de Setembro de 2022
>> Notícias
   
 
Unesp: pesquisa do colisor de partículas


Portal do Governo do Estado de São Paulo - 05.04.10

Unesp participa de pesquisa do colisor de partículas do Big Bang

Núcleo instalado do campus da Barra Funda monitora e analisa dados de experimento no colisor de partículas

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) está participando da pesquisa do colisor de partículas do Big Bang. Às 13h06 desta terça-feira, 30, horário local, o acelerador de partículas LHC (Large Hadron Collider, ou "grande colisor de hádrons"), localizado na fronteira da Suíça com a França, inaugurou seu programa de pesquisa ao provocar um choque de duas nuvens de prótons com energia total de 7 teraelétron-volts (TeV).

Ao mesmo tempo, às 8h06 pelo horário de Brasília, no bairro da Barra Funda na capital paulista, uma equipe de físicos do Centro Regional de Análise de São Paulo (Sprace), do Instituto de Física Teórica da Unesp, pôde acompanhar a colisão em uma sala ligada por uma rede de alta velocidade ao Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (Cern), que administra o LHC.

A Unesp aproveitou a ocasião para inaugurar o seu centro de controle do experimento CMS (sigla em inglês para "Solenoide de Múon Compacto"), que conta com 35 unidades semelhantes espalhadas pelo mundo e nas quais é possível acompanhar em tempo real as atividades realizadas no LHC e participar do seu monitoramento.

O CMS Center @ São Paulo, nome oficial do centro, utiliza uma conexão internacional de 10 Gbs, financiada pela Fapesp. "É a rede mais rápida do Brasil", disse o professor Sérgio Ferraz Novaes, coordenador do Sprace. Os equipamentos do CMS Center @ São Paulo foram adquiridos com apoio da Rede Nacional de Física de Altas Energias (Renafae), do Ministério da Ciência e Tecnologia.

Além do transporte de dados dos experimentos, a velocidade da rede permite o funcionamento de sistemas de telefonia e videoconferência de alta qualidade, proporcionando uma interação instantânea com o centro de controle do Cern. Por conta disso, os usuários do centro paulista poderão atuar na calibração dos subdetectores, monitorar a qualidade dos dados gerados e ainda analisar essas informações.

"Podemos acompanhar as informações ao vivo por meio de monitores e, caso detectemos alguma irregularidade, temos condições de chamar um especialista do LHC pelo sistema de videoconferência", explicou o físico Franciole Marinho, pós-doutorando do Sprace que participa do projeto e conta com Bolsa da Fapesp.

A Fundação também está financiando a atualização dos terminais do campus da Barra Funda da Unesp a fim de aumentar a sua capacidade de processamento. O próprio Sprace foi implantado em 2003 por meio do Projeto Temático "Física Experimental de Anéis de Colisão: Sprace e HEPGrid-Brazil", coordenado por Novaes.

Na América Latina, há apenas dois centros ligados ao CMS, o da Unesp e o da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj).

Física de partículas

O CMS é um dos quatro experimentos de pesquisa do LHC e cada um deles conta com equipes e equipamentos exclusivos para suas finalidades. Além do CMS, os experimentos Atlas e LHCb também registraram as colisões efetuadas na terça-feira. De modo similar ao CMS, o Atlas é um experimento multipropósito que fornece dados para trabalhos em diversas áreas da física.

Já o LHCb é focado no chamado quark B, partícula que poderá fornecer pistas sobre a relação entre matéria e antimatéria presentes no Universo. O quarto experimento, Alice, é voltado a análises com íons pesados e deve começar a operar em 2011, com o disparo de partículas de ouro ou chumbo.

O Brasil já participa intensamente no processamento dos dados coletados no Cern. Segundo Novaes, é importante para o país aumentar sua participação no desenvolvimento de software e hardware necessários às pesquisas no acelerador. "O LHC é um instrumento único que abrirá várias portas para o desenvolvimento científico e tecnológico brasileiro", afirmou.

Mas a formação e a pesquisa brasileiras em física de altas energias já estão ganhando com os experimentos. Os dados observados do campus da Barra Funda alimentarão trabalhos de mestrado, doutorado e pós-doutorado de estudan

http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/lenoticia.php?id=208958&c=6&q=Unesp+participa+de+pesquisa+do+colisor+de+partículas+do+Big+Bang

UNESP

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader