> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Boa tarde
Sábado , 24 de Setembro de 2022
>> Notícias
   
 
Opinião: Brasil deve saber usar biodiversidade


www.jornaldaciencia.org. - 14.04.10

Brasil deve saber usar biodiversidade, diz cientista francês

O Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) promoveu nesta segunda-feira, dia 12, o penúltimo seminário preparatório para a 4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (4ª CNCTI)


O tema em discussão no CGEE foi "O Brasil no Mundo". A palestra do diretor do Centro de Pesquisas do Brasil Contemporâneo, Escola de Altos Estudos de Ciências Sociais (Ehess, de Paris), Ignacy Sachs, com o tema "As terras da boa esperança e as biocivilizações do futuro" foi a mais concorrida.



Sachs falou do trinômio - exploração sustentável da biodiversidade, biomassas e biotecnologia -, classificado por ele como um dos pilares para o desenvolvimento do país. "O Brasil é um dos países mais ricos em biodiversidade. É preciso saber explorar isso. Como, por exemplo, utilizar a Amazônia de forma sustentável. Tem ainda a questão dos biocombustíveis. Apesar de ter avançado neste ponto ainda há muito que se desenvolver", enfatizou.



O diretor da Ehess salientou ainda que o país precisa investir em biocombustíveis de segunda e terceira gerações. Para ele, o etanol celulósico é um exemplo. "Precisamos nos valer dos resíduos vegetais. Além disso, há os recursos aquáticos, como as algas. Quando abordo o tema biocivilizações, não me restrinjo ao uso das bioenergias. Precisamos pensar cientificamente, mas, também, sociologicamente. E, neste sentido, devemos pensar nas pessoas", disse.



Por fim, Sachs comentou sobre o aproveitamento das energias solar e eólica. "Estamos longe de ter alcançado o pico do aproveitamento dessas energias. Há muito o que se fazer", destacou.



Mais cedo, participaram da abertura do seminário o secretário executivo do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), Luiz Antônio Rodrigues Elias; o secretário geral da 4ª CNCTI, Luiz Davidovich; o chefe da Assessoria de Assuntos Internacionais do MCT, José Monserrat Filho; a presidente do CGEE, Lúcia Carvalho de Melo, e o presidente da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), Luís Manuel Fernandes.



Também participaram dos debates o subsecretário-geral de Energia e Alta Tecnologia do Ministério das Relações Exteriores (MRE), Embaixador André Mattoso Maia Amado, e representantes da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz); da Academia Brasileira de Ciências (ABC); e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).



Nesta terça-feira, dia 13, ocorre o último seminário preparatório, quando serão debatidos temas envolvendo a área da educação. O encontro será na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), em Brasília.



Os eventos preparatórios para a 4ª CNCTI são organizados pelo MCT, CGEE, Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de CT&I (Consecti) e pelo Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap).

(Assessoria de Comunicação do MCT)



Brasil deve saber usar biodiversidade, diz cientista francês

Assessoria de Comunicação do MCT

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader