> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Boa noite
Sexta-Feira , 07 de Outubro de 2022
>> Notícias
   
 
Separe o lixo e tenha a consciência limpa


www.envolverde.com.br - 23.04.10

Separe o lixo e tenha a consciência limpa


Cada brasileiro de classe alta ou média produz de 500 a 1000 kg de lixo por ano, sendo que metade desses dejetos poderia ser reciclada. Ou até se podem atingir índices mais elevados, com atitudes socioambientais. Basta que pratiquemos os 3Rs: Reduzir (a geração de resíduos); Reutilizar (os materiais ainda úteis); Reciclar (o máximo possível). Ademais, seria relevante o decréscimo nos custos da coleta e depósito do lixo, e mais recursos poderiam ser empregados na área social. Um nobre e benfazejo ganha-ganha.

Separar também é preciso. Há muito plástico, papel, vidro e metal sendo atirado nos sacos de resíduos orgânicos, quando não a céu aberto , inviabilizando ou dificultando o reaproveitamento. Gravíssimo é o comprometimento do lençol freático provocado pela decomposição do lixo tóxico: pilhas, baterias, lâmpadas, agrotóxicos, remédios vencidos, metais pesados, embalagens de inseticidas etc. Além das águas subterrâneas, está comprometida boa parte das águas dos nossos rios e mananciais. Estudo recente da ONU é enfático ao afirmar que “mais pessoas estão morrendo de água contaminada e poluída do que todas as formas de violência, inclusive guerras”.

Ainda me encanta a espontânea adesão dos curitibanos quando da implantação da coleta seletiva, denominada Lixo que não é lixo, em 1989, tendo sido no ano seguinte laureada pela ONU. Jaime Lerner e sua equipe investiram o melhor de si em profícua catequese junto à população através da mídia e junto aos alunos em visita às escolas. O aterro sanitário da Caximba, também instalado em 1989, recebe hoje 2500 toneladas de lixo por dia, em cuja composição tem-se uma parte de lixo reciclável, que ali é depositado porque o município não separou.

Os índices de reaproveitamento do lixo são incertos, pois há recolhimento deste por parte dos carrinheiros, uma categoria não organizada e de difícil mensuração. Verdadeiros heróis da reciclagem um número que varia de 5000 a 10000 na capital paranaense –, os catadores têm nessa atividade a única alternativa de sobrevivência. Causam irritação em muitos motoristas pela lentidão que provocam no trânsito ao conduzirem carrinhos com peso médio de 130 kg. Com uma receita diária de 10 a 20 reais, exercem um nobilíssimo trabalho, pois, de acordo com a Gazeta do Povo (20/10/09), são responsáveis pela coleta de 92% do material reciclável, sendo que apenas 8% são recolhidos pelos caminhões do Lixo que não é lixo.

Sempre oportunas são as palavras de uma síndica: “muitos condôminos não separam o lixo. Faço isso com os meus funcionários e doo para os catadores. É uma ação de respeito à natureza e tem um significativo valor social”. Isso mesmo: separar o lixo é um ato de cidadania e consciência ambiental. Não basta uma atitude compassiva, quando a solução é sermos proativos.

É irônico: nós, humanos, que nos proclamamos inteligentes, somos os únicos a comprometer o equilíbrio natural, em nossa insensata marcha hedonista e consumista.

Estamos muito próximos, numa visão compartilhada por Fritjof Capra e James Lovelock, de atingir o “ponto de não retorno” da destruição da espécie humana.


Jacir José Venturi
jacirventuri@geometriaanalitica.com.br
Diretor de escola e mentor do Amo Curitiba – Ações Voluntárias.

http://www.nota10.com.br//artigo-detalhe/8816_Separe-o-lixo-e-tenha-a-consciencia-limpa

envolverde

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader