> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Boa tarde
Sexta-Feira , 30 de Setembro de 2022
>> Notícias
   
 
Um homem faminto é um homem furioso


www.envolverde.com.br - 17.05.10

TERRAMÉRICA - Um homem faminto é um homem furioso

Por Jacques Diouf*

“A cada seis segundos morre uma criança vítima de doenças relacionadas com a fome..., assim, agora eu acuso”, escreve neste artigo o diretor-geral da FAO, Jacques Diouf.

Roma, 17 de maio (Terramérica).- Eu estou furioso! E espero que você também fique após ler isto.

Hoje somos afetados por uma tragédia humana de proporções gigantescas, mas a maior parte dos políticos faz vista grossa. Em um mundo que gasta mais de US$ 1 bilhão ao ano com armamentos, um bilhão de pessoas passam fome todos os dias. O número de pessoas com fome e desnutrição aumentou em mais de cem milhões no ano passado.

A cada seis segundos, morre uma criança vítima de doenças relacionadas com a fome. Isso representa mais de cinco milhões de crianças por ano.

Isso me enfurece. Assim, agora faço soar um sinal e acuso. A verdade é que, durante os últimos 30 anos, o que os políticos fizeram a respeito é menos que nada. Desde meados da década de 80, em lugar de aumentar a assistência internacional à agricultura nos países em desenvolvimento, cuja meta é ajudar as pessoas pobres a se alimentar por si mesmas, os fundos foram reduzidos quase à metade. Caíram 43%.

Alguém poderia dizer que pelo menos agora os líderes mundiais falam do problema, já que a fome figura de maneira proeminente na agenda de seus encontros e reuniões de alto nível. É certo que, entre os flashes das fotos, fazem declarações grandiloquentes, se comprometendo com a ação rápida e decidida.

Mas, deixem-me voltar a acusar.

Em L’Aquila, na Itália, no mês de julho de 2009, os líderes do Grupo dos oito países mais poderosos assumiram um compromisso solene de investir US$ 22 bilhões em três anos para ajudar as nações em desenvolvimento a produzir o alimento que necessitam para seus povos. Mas, dez meses depois, apesar de grandes esforços para monitorar os compromissos e da criação de um fundo para o Programa de Agricultura e Segurança Alimentar Global do Banco Mundial, qual a quantia dessa ajuda prometida que chegou aos pequenos agricultores nos países menos desenvolvidos? Quase nada.

Isso acontece porque as palavras são menos caras do que o dinheiro. Mas as pessoas não podem se alimentar de palavras. Se pudessem, um bilhão de estômagos vazios estariam satisfeitos. Nos últimos 17 anos, tentou-se argumentar com os governantes, pedir e chamar a atenção para o risco de focos de violência como os distúrbios por falta de alimentos que vimos em 32 países em 2007 e 2008.

Mas a fome continua crescendo. Por isso decidi fazer soar o aviso e acusar, e preciso de sua ajuda. Preciso que faça o mesmo.

No dia 11 deste mês, em diversos atos ao redor do mundo, lançamos o projeto “1billionhungry” (um bilhão de famintos), e quero que você toque o sinal, o mais forte que puder, para despertar as pessoas, para que vejam que um bilhão de pessoas passam fome neste momento, e que entre 20 e 30 crianças morreram no tempo que levou para ler este artigo. Quero que você faça soar o alarme, para dizer que isto é inaceitável e que deseja o fim disto. Agora mesmo!

Em setembro irei a Nova York participar da Cúpula das Nações Unidas sobre os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, que revisará o progresso feito nas metas adotadas pela ONU em 2000. Uma delas é reduzir pela metade a proporção de pessoas com fome até 2015, tomando por base a situação de 1990.

A maravilha das estatísticas é que nos permitem, teoricamente, reduzir pela metade a proporção, mas ter um número real que é maior ainda do que era no começo. Isso porque a população mundial cresce ao ritmo de 80 milhões de habitantes ao ano, e porque as pessoas não são porcentagens.

O que me interessa é quantas pessoas sofrem fome e quantas crianças estão morrendo. Em outubro levarei uma petição (disponível no site http://www.1billionhungry.org/rlcprensa) aos governantes mundiais, por meio das Nações Unidas, para dizer-lhes que estamos fartos de viver em um mundo faminto. Para chamar sua atenção, preciso de pelo menos um milhão de assinaturas nesta petição. Es

http://www.envolverde.com.br/materia.php?cod=74610&edt=1

TERRAMÉRICA

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader