> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Boa tarde
Sexta-Feira , 07 de Outubro de 2022
>> Notícias
   
 
Evasão de faculdades privadas bate recorde em SP


www.estadao.com.br - 18.05.10

Evasão de faculdades privadas bate recorde

Taxa de abandono em 2008 foi de 24,21% na Região Metropolitana de São Paulo, índice mais alto em 8 anos; crise econômica não é única causa

Mariana Mandelli - O Estado de S.Paulo


O ensino superior privado do Estado de São Paulo registrou em 2008 a maior taxa de evasão dos últimos oito anos. O recorde é de 24,21% para a Região Metropolitana e de 21,10% em todo o Estado. Em 2000, 60.843 alunos da Grande São Paulo desistiram da faculdade. Em 2008, o número saltou para 168.452. O crescimento é de cerca de 178,5%.


Os dados, obtidos com exclusividade pelo Estado, fazem parte de um levantamento do Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior no Estado de São Paulo (Semesp). São considerados dentro do conceito de evasão alunos que abandonaram, trancaram, desligaram-se ou se transferiram para outra instituição. A pesquisa é realizada com base no censo da educação superior do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep).

As explicações para o aumento da evasão não estão ligadas diretamente à crise econômica, que começou no fim de 2008. Segundo o Semesp, são três as razões: a inclusão das classes C e D, que desistem por motivos financeiros ou de defasagem acadêmica; a grande concorrência entre as instituições, que "roubam" alunos umas das outras; e a falta de sintonia entre a metodologia dos cursos e os interesses de uma geração que está cada vez mais conectada e envolvida com tecnologia.

"A inclusão das classes C e D é algo bastante positivo. Reduzir valores e criar facilidades de pagamento dão mais acesso aos alunos, mas não garantem a permanência", afirma Rodrigo Capelato, diretor executivo do Semesp. Para ele, políticas públicas de financiamento, como o ProUni e o Fies, deveriam ser ampliadas.

Base. Para os consultores em educação que atuam no setor, não se pode atribuir a evasão somente aos alunos. Segundo eles, as faculdades devem reforçar projetos de nivelamento intelectual, ajudando na permanência desses estudantes.

"O sonhos das escolas é incluir as classes mais baixas, que são mais frágeis culturalmente. Então, o mínimo que as instituições devem fazer é dar as mínimas condições para esse alunos se recuperar", afirma Carlos Monteiro, consultor em educação. "A desistência é culpa das faculdades, que sonham com um perfil de aluno da USP."

A Anhanguera Educacional, que tem hoje mais de 140 mil alunos, investe em um projeto institucional para amenizar as diferenças de conteúdo desses alunos. Comparando o primeiro trimestre de 2010 a 2009, houve melhora na retenção. No ano passado, a taxa de renovação de matrículas foi de 88%. Neste ano, superou os 91%. "A instituição deve criar condições para receber esses estudantes, reforçando a formação humanística que envolva atividades culturais, de expressão e de raciocínio lógico", diz a vice-presidente acadêmica Ana Maria Sousa.

Os diversos métodos publicitários para atrair público, segundo os especialistas, dão a falsa impressão de que é possível permanecer no curso sem dificuldades ? entre 2007 e 2008, segundo o Semesp, o número de matrículas subiu 4,66%. "Para ter cada vez mais estudantes, as faculdades buscam alunos que não têm o perfil financeiro e intelectual delas", afirma o consultor em educação Ryon Braga.


http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100518/not_imp553160,0.php

Jornal O Estado de São Paulo

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader