> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Bom dia
Quarta-Feira , 05 de Outubro de 2022
>> Notícias
   
 
Ensino médio e desemprego


www.envolverde.com.br - 18.06.10

Desemprego é maior para quem não conclui ensino médio do que fundamental

Por Sarah Fernades, do Aprendiz




A taxa de desemprego é maior entre aqueles que não concluíram ensino médio do que entre os que não terminaram o ensino fundamental. Isso porque quem tem segundo grau incompleto ocupa um vácuo entre a mão de obra qualificada e a desqualificada, que não é absorvida pelo mercado brasileiro. O diagnóstico foi apresentado no lançamento do estudo “A Crise de Audiência no Ensino Médio”, do Movimento Todos pela Educação e do Instituto Unibanco, nesta quarta-feira (16/6).

Em 2008, 14% das pessoas com o segundo grau incompleto, com 15 anos ou mais, estavam desempregadas, contra 5,4% das que tinham primeiro grau incompleto, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad).

“É devido à educação deficiente que as crianças pobres enfrentam maiores dificuldades e altas taxas de repetência desde os primeiros anos da escola, fazendo com que os mesmos ingressem no mercado de trabalho sem condições adequadas”, aponta o texto.

O maior índice de desemprego, em 2005, estava entre quem tinha nove anos de estudo, chegando a 14%. Para quem tinha quatro anos de estudo a taxa de desemprego ficou em cerca de 6%. “Você tem um topo de profissões não qualificadas, que absorve pessoas de baixa escolarização, e outro com pessoas de alta escolarização. Quem não completou o ensino médio fica nesse vácuo”, comentou Carlos Artexes, diretor de Concepções e Orientações Curriculares para Educação Básica, do Ministério da Educação (MEC).

“Parece contraditório, mas a explicação é que há uma heterogeneidade no mercado de trabalho que absorve profissões não qualificadas em um número relativamente grande”, afirmou Artexes. “Existem trabalhos que muita gente sem escolaridade absorve, por exemplo, a construção civil, cuja demanda cresceu e que dá emprego a quem não concluiu o ensino fundamental”.

De cada 100 estudantes de 18 a 24 anos que ingressaram no ensino médio em 2007, 15 não concluíram o primeiro ano, de acordo com o estudo. Nessa faixa etária, 10% concluíram a primeira série, mas não a segunda e 13% terminaram a segunda e não concluíram a terceira. “Isso representa uma inadequação do ensino médio os interesses dos jovens. Denota a exigência de uma nova escola média, menos infantilizada e que reconheça os jovens e os adultos”, avaliou o diretor do MEC, Carlos Artexes.

Para solucionar o problema de evasão, o estudo sugere que é necessário “investir recursos para aumentar o tempo de permanência dos alunos na escola, hoje limitado em 3 ou 4 horas diárias; reduzir o ensino público noturno, que hoje absorve metade da matrícula pública no nível médio”, sugere o estudo. O texto destaca ainda a importância de “investir na qualidade e na carreira dos professores, tornando-a mais atrativa e competente”.



(Envolverde/Aprendiz)



© Copyleft - É livre a reprodução exclusivamente para fins não comerciais, desde que o autor e a fonte sejam citados e esta nota seja incluída.


http://www.envolverde.com.br/materia.php?cod=76334&edt=8

Aprendiz

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader