> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Bom dia
Sábado , 01 de Outubro de 2022
>> Notícias
   
 
É urgente voltar à filosofia e à reflexão


www.envolverde.com.br - 21.06.10

"É urgente voltar à filosofia e à reflexão"

Por redação da Carta Maior

É a melhor despedida que um escritor pode ter. Leitores e amigos de todos os cantos do mundo fazem suas homenagens, compartilhando a certeza de haverá sempre muito para ler e reler. E reler, como ensinou José Saramago, é uma das armas para enfrentar a presença e o avanço da barbárie no mundo. A melhor maneira de homenagear Saramago e honrar o seu legado é mantendo suas palavras vivas, circulando pelo mundo. É essa a homenagem que a Carta Maior quer prestar neste momento, dedicando o editorial desta semana à palavra e ao exemplo de vida deixado pelo escritor português.

“Acho que na sociedade atual nos falta filosofia. Filosofia como espaço, lugar, método de reflexão, que pode não ter um objetivo determinado, como a ciência, que avança para satisfazer objetivos. Falta-nos reflexão, pensar, precisamos do trabalho de pensar, e parece-me que, sem idéias, não vamos a parte nenhuma”.

Esse é o último post publicado no site Cadernos de Saramago, que reproduz um trecho de uma entrevista do escritor português, que morreu nesta sexta-feira (21), à revista do Expresso, de Portugal. A frase é uma das possíveis sínteses do legado de Saramago que dedicou boa parte dos últimos anos de sua vida para denunciar o empobrecimento do mundo, da palavra e da experiência humana. Um mundo que ficou um pouco ainda mais pobre com o anúncio da Fundação José Saramago publicado hoje na página oficial do autor:

“Hoje, sexta-feira, 18 de Junho, José Saramago faleceu às 12.30 horas na sua residência de Lanzarote, aos 87 anos de idade, em conseqüência de uma múltipla falha orgânica, após uma prolongada doença. O escritor morreu estando acompanhado pela sua família, despedindo-se de uma forma serena e tranqüila”.

Na página da Fundação Saramago no Facebook, muitas despedidas emocionadas:

-Hoy parte de mi se ha ido contigo! descansa en paz – escreveu Jesus Freire.

- Un temblor que me sacudió del sueño a las 3am, me despertó dejándome inquieta y en vela. Que iba a saber yo, que el Elefante había partido en viaje. Feliz viaje Saramago y luz para tu camino – desejou Leslye Tánchez.

- «A história acabou, não haverá nada mais que contar.» in Caim by JS
Mas haverá sempre muito para reler... – consolou André Olim.

- Poderíamos dar um milhão de razões para sermos neste momento um milhão de Saramagos, mas não vamos dar nenhuma: quem queira ser Saramago, que se revele, que se junte. Ser Saramago é bom, ser um milhão de Saramagos é melhor. Obrigado, amigos – escreveram os amigos da Fundação José Saramago.

Leitores e amigos de todos os cantos do mundo partilham essas homenagens neste momento, compartilhando com André Olim a certeza de haverá sempre muito para reler. E reler, como ensinou Saramago, é uma das armas para enfrentar a presença e o avanço da barbárie no mundo. A melhor maneira de homenagear Saramago e honrar o seu legado é mantendo suas palavras vivas, circulando pelo mundo. É essa a homenagem que a Carta Maior quer prestar neste momento, dedicando o editorial desta semana à palavra e ao exemplo de vida deixado por Saramago. Honrou a vida e mostrou um dos pontos altos a que a humanidade pode chegar. Os trechos a seguir fazem parte de textos de Saramago publicados aqui na Carta Maior:

Onde está a esquerda?
"Imaginei, quando há um ano rebentou a burla cancerosa das hipotecas nos Estados Unidos, que a esquerda, onde quer que estivesse, se ainda era viva, iria abrir enfim a boca para dizer o que pensava do caso. Passou-se o que se passou depois, até hoje, e a esquerda, covardemente, continua a não pensar, a não agir, a não arriscar um passo (...)".

“(...) Já tenho a explicação: a esquerda não pensa, não age, não arrisca um passo. Passou-se o que se passou depois, até hoje, e a esquerda, cobardemente, continua a não pensar, a não agir, a não arriscar um passo. Por isso não se estranhe a insolente pergunta do título: “Onde está a esquerda?” (Onde está a esquerda?, 14/10/2008)

A não-utopia
“O único lugar que existe é o dia de amanhã, a nossa utopi

http://www.envolverde.com.br/materia.php?cod=76402&edt=34

Carta Maior

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader