> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Boa tarde
Sábado , 01 de Outubro de 2022
>> Notícias
   
 
Três estações da CPTM são tombadas


Portal do Governo do Estado de São Paulo - 25.06.10

Três estações da CPTM são tombadas pelo Patrimônio Histórico

Estações Rio Grande da Serra, Ribeirão Pires e Caieiras são remanescentes da primeira ferrovia paulista

As estações Rio Grande da Serra e Ribeirão Pires, da Linha 10-Turquesa (Luz-Rio Grande da Serra), e Caieiras, da Linha 7-Rubi (Luz-Jundiaí), da Companhia Paulista de Transportes Metropolitanos (CPTM), foram tombadas pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat). Além dessas estações, cujos prédios são da década de 1880, a antiga estação de Santos, popularmente conhecida como estação do Valongo e hoje pertencente à prefeitura local, também passou pelo processo de tombamento.

A CPTM herdou o patrimônio da antiga SPR (São Paulo Railway) - primeira ferrovia paulista, aberta em 1867 - que impulsionou o desenvolvimento de São Paulo a partir da metade do século XIX, quando o café passou a ser o principal produto de exportação no Brasil e passou a ser escoado para o Porto de Santos pela ferrovia.

Embora esteja em pleno processo de modernização, promovido pelo Plano de Expansão do Transporte Metropolitano, a CPTM vem mantendo o compromisso de zelar pelo seu patrimônio histórico. Uma demonstração disso é que as três estações tombadas continuam prestando serviços, juntas, a cerca de 35.500 usuários todos os dias, tendo mantidas suas condições de uso por meio de manutenção periódica e sempre de acordo com as diretrizes dos órgãos de preservação. Outro exemplo são as estações Luz e Brás (que passaram por restauro), e Julio Prestes, já tombadas e que estão em plena operação.

As estações tombadas estão entre as últimas que mantiveram a arquitetura original da segunda metade do século XIX, trazida pelos ingleses da SPR. "Quem quiser conhecer como funcionava uma estação naquela época é só pegar o trem da CPTM e descer em uma delas. Nosso patrimônio é de fácil acesso para quem quiser conhecê-las", explicou Ayrton Camargo, gerente de Projeto Funcional e Integração do Transporte da CPTM.

Da CPTM

http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/lenoticia.php?id=210819&c=552&q=Três+estações+da+CPTM+são+tombadas+pelo+Patrimônio+Histórico

CPTM

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader