> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Boa tarde
Sexta-Feira , 07 de Outubro de 2022
>> Notícias
   
 
Intercâmbio: estudantes de escolas públicas


www.ultimosegundo.ig.com.br - 27.10.10

35 estudantes de escolas públicas farão intercâmbio nos EUA

Programa Jovens Embaixadores, do governo norte-americano, anuncia os alunos brasileiros premiados na edição 2011

Marina Morena Costa, iG São Paulo

Os nomes dos 35 estudantes de escolas públicas de 26 Estados brasileiros que vão participar do Programa Jovens Embaixadores 2011 foram anunciados nesta terça-feira (26) pelo cônsul-geral dos Estados Unidos em São Paulo, Thomas Kelly, e pelo embaixador norte-americano, Thomas Shannon, durante um evento na capital paulista. O programa seleciona jovens com idades entre 15 e 18 anos para um intercâmbio cultural gratuito de três semanas nos EUA (entre 8 e 27 de janeiro do próximo ano), promovido pela Embaixada do país.


Esta é a 9ª edição do programa que, desde a sua criação em 2003, já beneficiou 212 jovens brasileiros. O número de inscritos desta edição superou seis mil jovens e mobilizou 64 instituições parceiras da Embaixada dos EUA para selecionar os finalistas. Para participar do processo seletivo, é preciso ter bom desempenho na escola, fazer serviço social em sua comunidade e dominar suficientemente o inglês para morar com uma família americana e conseguir se comunicar.

“Estes 35 estudantes representam o melhor da juventude brasileira. São jovens que buscaram a liderança, atuantes e têm o desejo de serem bons cidadãos”, afirmou Shannon durante o anúncio dos finalistas. Para o embaixador o programa fortalece a educação pública brasileira, “base de um país exitoso”. Um 36º jovem embaixador ainda será selecionado por meio de votação pública no site do programa Jovens Embaixadores.

Marco

“Uma experiência transformadora” ou a mesma frase em inglês “A life changing experience” são as expressões mais usadas pelos os ex-jovens embaixadores para definir o intercâmbio cultural. Para Simon do Vale de Nascimento, de 23 anos, participante do programa em 2005, a experiência rendeu uma graduação em Relações Internacionais na conceituada Universidade de Chicago e um emprego no escritório de recrutamento de estudantes da instituição.

“Venho de Catalão, em Goiás, e o programa me mostrou do que eu era capaz. Não tinha ideia de onde eu poderia chegar, mas depois decidi tentar a Universidade de Chicago e fui aceito”, conta. Após se formar, Simon foi convidado a trabalhar na instituição e viajar para América Latina, África, Oriente Médio e Sul da Ásia para recrutar novos talentos. “Abro oportunidades para candidatos, assim como abriram para mim.”

Euriane Aparecida Mendes, de 23 anos, também jovem embaixadora em 2005, optou por cursar direito depois de participar do programa. “Eu tinha um projeto de educação ambiental na minha escola, em Patrocínio (MG). E o programa nos mostrou na prática como práticas simples, na sua comunidade, podem impactar o mundo”, lembra. Depois do programa americano, Euriane foi selecionada no ano seguinte para participar do Jovens Embaixadores Ambientalistas, realizado na Alemanha. Hoje a estudante quer se especializar em direito ambiental ou internacional.

Jovem embaixadora em 2010, Gabrielle Cavalheiro, de 18 anos, participou de um encontro com Michelle Obama e voltou dos EUA decidida a ser diplomata. “Fomos representar o Brasil fora e eu quero fazer isso mais vezes, levar um pouco do nosso País e trazer mais dos outros países para cá”, afirma a estudante de direito.

O programa

Na primeira etapa da viagem, que ocorre em janeiro de 2011, o grupo passa uma semana em Washington visitando instituições do governo, museus, participando de reuniões com autoridades e aprendendo sobre a cultura dos EUA. Depois, os alunos passam duas semanas hospedados em casas de famílias americanas em diferentes estados do país. Eles também irão frequentar aulas em uma escola de ensino médio (“high-school”) onde conhecerão o dia-a-dia do jovem estudante americano e farão apresentações sobre o Brasil. Os jovens devem ainda desenvolver um plano de ação para o fortalecimento do seu projeto de voluntariado no País.

Segundo o embaixador americano, o programa pioneiro no Brasil é considerado “modelo

http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/35+estudantes+de+escolas+publicas+farao+intercambio+nos+eua/n1237812469714.html

ultimosegundo.ig.com.br

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader