> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Bom dia
Sábado , 01 de Outubro de 2022
>> Notícias
   
 
Memorial da América Latina lança livro


www.saopaulo.sp.gov.br - 28.10.10

Memorial da América Latina lança livro contando sua história e outro sobre imprensa livre

Também será realizada a palestra "Liberdade de Expressão e Direito à Informação", por Demétrio Magnoli e Cremilda Medina

A Fundação Memorial da América Latina lançará nesta quinta-feira, 28, na Livraria Cultura do Shopping Bourbon, os livros Liberdade de expressão, direito à informação nas sociedades latino-americana, organizado por Cremilda Medina, e Memorial da América Latina 21 Anos, coeditado pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, de autoria de Shozo Motoyama e Rafael Yamin.

Como parte da programação de lançamento, será realizada a palestra "Liberdade de Expressão e Direito à Informação", por Demétrio Magnoli e Cremilda Medina. Demétrio Magnoli é Bacharel em Ciências Sociais e Jornalismo pela Universidade de São Paulo, doutor em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo (USP) e integra o Grupo de Análises de Conjuntura Internacional da USP. Atualmente escreve para O Estado de S. Paulo e O Globo, bem como faz parte do Conselho Editorial da revista Interesse Nacional. Na condição de pesquisador, especializou-se nas áreas de Relações Internacionais e Geografia Política. Já publicou ensaios, organizou coletâneas e vários livros. Sua obra mais recente, Uma gota de sangue - história do pensamento racial (Ed. Contexto), foi lançada em 2009.

O livro Memorial da América Latina 21 Anos (Memorial/Imprensa Oficial, São Paulo, 2010), de Shozo Motoyama e Rafael Yamin, registra a trajetória da Fundação Memorial da América Latina ao longo dos 21 anos de sua existência. Inspirado pela pregação de André Franco Montoro em torno da necessidade de maior integração da América Latina, seu sucessor no governo de São Paulo, Orestes Quércia, construiu o Memorial e presidiu a sua inauguração em 18 de março de 1989, observa o presidente Fernando Leça, em texto de apresentação da obra.

Leça relata que, depois de um início brilhante, sustentado por um orçamento invejável nos dias de hoje, o Memorial teve altos e baixos, mas vem cumprindo o papel que lhe foi designado. Cada gestão procurou agregar valor à sua ação integradora, valorizando a obra de Oscar Niemeyer e o propósito impregnado por Darcy Ribeiro. O seu espaço, ressalta, torna-se cada vez mais o espaço da latino-americanidade, o ponto de encontro dos povos, de lideranças políticas e empresariais, dos expoentes da cultura e das artes, enfim, a "esquina da América Latina". Presidentes e ex-presidentes passam por aqui, expondo suas ideias e suas vivências; músicos, literatos, artistas, pensadores, desfilam aqui sua sensibilidade e sua arte.

Nestes 21 anos, em sua maioridade plena, finaliza Leça, o Memorial testemunhou e registrou momentos ricos de densidade estética e de sentido transcendente na consecução de sua missão integradora. "O livro que agora é colocado à disposição de todos certamente nos remeterá a esse clima".

Já Liberdade de expressão, direito à informação nas sociedades latino-americana, organizado por Cremilda Medina, aborda uma questão candente nos dias de hoje, no Brasil e na região. Após as democratizações dos países latino-americanos, a luta pela Nova Ordem da Informação dos anos 1970 parecia não ter mais sentido, uma vez que todas as Constituições contemporâneas asseguram o pleno direito social à informação e à liberdade de expressão. No entanto, o debate se mantém acirrado no final da primeira década do século XXI, pois algumas situações denunciam recorrentes ameaças de autoritarismo e até mesmo de censura explícita aos meios de comunicação.

Para debater esses contextos, um seminário realizado em São Paulo, no Memorial da América Latina, no primeiro semestre de 2010, reuniu estudiosos e jornalistas que apresentaram diagnósticos oportunos sobre os embates atuais. Os ensaios, agora editados no livro Liberdade de expressão, direito à informação nas sociedades latino-americanas, abordam panoramas gerais da região, de países e de suas particularidades como Venezuela, Cuba, Argentina e Brasil. Os analistas também propõem um retrospecto históri

http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/lenoticia.php?id=212476&c=6

Fundação Memorial da América Latina

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader