> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Boa noite
Sexta-Feira , 07 de Outubro de 2022
>> Notícias
   
 
Professor: habilidade contra preconceito


www.jcnet.com.br - 25.11.10

Professor: habilidade contra preconceito

Discriminação merece atenção das instituições escolares; ontem, orientações sobre o tema foram discutidas com docentes

Mariana Cerigatto

Capacitar professores para combater o preconceito em sala de aula foi um dos temas que fomentou o debate da mesa-redonda sobre educação, direitos humanos e cultura afro-brasileira na manhã de ontem, no Núcleo de Aperfeiçoamento Profissional da Educação Municipal de Bauru (Napem). O evento integra a Jornada Bauruense pelos Direitos Humanos, que acontece desde dia 16 na cidade e termina no domingo.

“Há dificuldade em lidar com preconceitos porque não temos professores habilidosos para trabalhar com as discriminações que ocorrem no dia a dia da escola. Elas passam despercebidas e a entidade acaba deixando o preconceito se alastrar”, alerta a docente Maria Valéria Barbosa, da Faculdade de Filosofia e Ciências (FCC) da Unesp de Marília, convidada a discutir o tema do preconceito junto ao público.

“Com a omissão, permitimos que se propague os sentimentos de inferioridade e superioridade. Não se estabelece que os seres são diferentes pelas características biológicas ou pelas características de raça. O preconceituoso já estabelece quem é melhor ou pior, sem considerar as capacidades de cada indivíduo”, acrescenta.

Já o professor Clodoaldo Meneguello Cardoso, coordenador do Observatório de Educação em Direitos Humanos da Unesp, destaca que o combate às discriminações depende de uma postura que contemple mudanças na mentalidade e nos valores. Essa mudança acontece através da educação, mas a longo prazo.

“É preciso tomar consciência de que o ser humano é um animal que tem como marca a individualidade. Mas precisamos conceber o princípio de diversidade, que respeita as individualidades e combate desigualdades, as quais ferem a dignidade.”

E o papel da escola é primordial, pois é ela que deve formar os alunos, que serão futuros multiplicadores dos ensinamentos na sociedade, pontua a Secretária Municipal de Educação, Vera Caserio. Ela, que aprovou o evento, diz que o preconceito de todo tipo deve ser trabalhado nas escolas, na família e na comunidade.

Na mesa-redonda estiveram presentes professores de escolas públicas e particulares de Bauru, além de autoridades e demais interessados. Na ocasião foram entregues edições do JC Criança aos docentes, que trazem conteúdo educativo e informativo sobre direitos humanos voltado ao público infantil.

O coordenador operacional do projeto JC na Escola, Sérgio Purini, salienta a importância em se trabalhar os direitos humanos desde a infância. “Na edição do JC Criança do último domingo, apresentamos o tema de direitos humanos ao público infantil por meio de uma linguagem lúdica e atrativa”, ressaltou.

A professora Rosa Maria Araújo Simões, da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação (Faac) da Unesp de Bauru, trouxe à tona a discussão de manifestações culturais que remetem à cultura afro-brasileira. O foco do debate foi levantar os diversos tipos de preconceito. Segundo Meneguello, na cultura brasileira há três tipos de preconceito muito fortes: o social, étnico-racial e o de gênero.

http://www.jcnet.com.br/detalhe_geral.php?codigo=196623

jcnet.com.br

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader