> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Bom dia
Sexta-Feira , 07 de Outubro de 2022
>> Notícias
   
 
Desigualdade na ciência no Brasil é entrave


www1.folha.uol.com.br - 03.12.10

Para "Science", desigualdade na ciência no Brasil ainda é entrave


SABINE RIGHETTI
DE SÃO PAULO

A ciência do Brasil vai bem, mas ainda precisa vencer a desigualdade entre regiões. Essa é a análise da revista científica americana "Science", uma das mais importantes do mundo, sobre a atividade científica brasileira.

A publicação afirma que o país já se dá ao luxo de fazer "big science" (ciência cara e de grande porte), como no caso de neurociências, transgênicos e energia nuclear.

Mas os maiores gastos (e, consequentemente, os resultados) da ciência brasileira ficam concentrados no Sudeste do país. Só o Estado de São Paulo tem metade da produção de artigos científicos.

A "Science" também afirma que, apesar de milhões de brasileiros terem saído da pobreza extrema nos últimos anos, a desigualdade social ainda é um desafio.

"No entanto, seria um desastre aguardar a solução dos problemas básicos da sociedade para começar a criar competências, são duas frentes simultâneas e uma ajuda a outra", diz Sérgio Salles-Filho, engenheiro especialista em política científica da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

ABISMO

Salles-Filho concorda que existe um buraco entre o conhecimento produzido pela florescente ciência brasileira e seu impacto na vida das pessoas.

"Fazer ciência apenas para aparecer em rankings internacionais não é boa coisa. Há uma visão míope de que o artigo científico é o fim último da ciência. É preciso medir suas consequências para a sociedade", completa.

Por falar em artigos, o país vai bem. Como a "Science" destaca, a produção científica publicada em revista científica mais do que triplicou na última década. No entanto, o impacto desses trabalhos, ou seja, o quanto eles são citados internacionalmente em outros artigos científicos, ainda é baixo.

O gasto com ciência no Brasil atingiu 1,2% do PIB, e o país hoje forma mais de 10 mil doutores por ano.

Salles-Filho atribuiu o fenômeno à conjuntura econômica e à consolidação da política científica nacional entre os anos 1990 e 2000. "A criação de novas fontes de financiamento público nesse período mudou o rumo das coisas", analisa.

POUCA INOVAÇÃO

Outras pedras no caminho da ciência nacional apontadas pela "Science" são o pouco empreendedorismo dos cientistas brasileiros e o distanciamento do setor privado, ao contrário do que acontece nas grandes universidades do mundo.

"Falta cultura acadêmica para o empreendedorismo. E é difícil um lugar ao sol no mercado de empreendimentos de base tecnológica no Brasil", explica Salles-Filho.
Para a "Science", o país tem se destacado positivamente na área agrária. Instituições como a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) mostram que o país está se transformando de um exportador de matéria-prima para um desenvolvedor de produtos com base em atividade científica.

"As ciências agrárias sempre foram aplicadas, o que ajuda a estruturar a atividade produtiva. O agronegócio representa 25% do PIB do país", analisa Salles-Filho.

De acordo com o especialista, o desenvolvimento científico recente atingido pelo país "não é pouca coisa". "Agora não há mais retorno", conclui.

http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/839987-para-science-desigualdade-na-ciencia-no-brasil-ainda-e-entrave.shtml

folha.uol.com.br

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader