> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Boa tarde
Sexta-Feira , 07 de Outubro de 2022
>> Notícias
   
 
Sucesso dos humanos: sociabilidade e armas


www.folha1.com.br - 22.03.11

Humano evoluiu impulsionado por desenvolvimento social e armas


DO "NEW YORK TIMES"

Cada vez que algum atributo do homem é considerado exclusivo --seja a fabricação de ferramentas, a linguagem ou as guerras --, cientistas tratam de descobrir um possível precursor entre os animais que torna a habilidade humana menos distinta.

Ainda que muito diferente de outros animais, uma cascata de eventos causados pela seleção natural e outros por simples acidentes impulsionou a linhagem humana muito além do destino de ser apenas mais um macaco.

O motor principal que colocou essa movimentada cascata em movimento talvez seja a invenção das armas --evento que permitiu a nossos ancestrais escapar da brutal tirania do macho alfa dominante nas sociedades símias.

Além das armas, biólogos não hesitam em vincular o sucesso dos humanos à sociabilidade --a capacidade de cooperar, de fazer indivíduos subordinarem seu interesse pessoal às necessidades do grupo.

"Os humanos não são especiais devido ao tamanho de seu cérebro", diz Kim Hill, antropóloga social da Universidade do Estado do Arizona (EUA). "Não é por isso que conseguimos construir foguetes espaciais. Nenhuma pessoa consegue. Temos foguetes porque dez mil indivíduos cooperam para produzir a informação."

Os dois principais traços que sustentam o sucesso evolutivo humano, na visão de Hill, são a incomum capacidade de cooperação entre pessoas sem laços familiares (em quase todas as outras espécies, apenas indivíduos de íntimo parentesco ajudam uns aos outros) e o aprendizado social (a habilidade de copiar e aprender a partir do que os outros estão fazendo).

Explica-se: uma rede social grande pode gerar conhecimento e adotar inovações com muito mais facilidade do que uma aglomeração de pequenos grupos hostis, constantemente em guerra entre si --o estado padrão da sociedade dos chimpanzés.

SOCIEDADES

A resposta sobre como os humanos se tornaram únicos está no estudo do momento em que as sociedades humanas começaram a se separar dos macacos.

Paleoantropólogos costumam afirmar que as sociedades de chimpanzés são um substituto razoavelmente aceitável para a sociedade ancestral de macacos, que deu origem às linhagens de humanos e chimpanzés.

A estrutura social das duas espécies não podia ser mais diferente. A sociedade dos chimpanzés consiste de uma hierarquia de machos, dominada pelo alfa e seus aliados, e uma hierarquia de fêmeas em seguida.

O macho alfa contabiliza a maioria das paternidades, compartilhando outras com seus aliados. As fêmeas tentam se acasalar com todos os machos disponíveis, então cada um deles pode achar que é o pai --e poupar o filhote.

Como uma sociedade similar a essa poderia originar a estrutura igualitária e basicamente monogâmica dos grupos humanos que se enquadram como caçadores-coletores, há 15 mil anos atrás?

Uma nova e abrangente resposta foi desenvolvida por Bernard Chapais, da Universidade de Montreal (Canadá), primatologista que passou 25 anos analisando sociedades de macacos.

Recentemente, ele dedicou quatro anos à análise de literatura sobre antropologia social, buscando definir a transição entre a sociedade não-primata e os humanos --seu "Primeval Kinship" (Parentesco Primitivo, em tradução livre) foi publicado em 2008.

NOVA ABORDAGEM

Chapais enxerga a transição como uma série de acidentes, cada um permitindo que a seleção natural explorasse novas oportunidades.

Os primeiros humanos começaram a caminhar sobre duas pernas por parecer mais eficiente do que se locomover sobre as juntas das mãos, como os chimpanzés. Isso deixou as mãos livres para que pudessem gesticular ou construir ferramentas.

Na opinião de Chapais, uma ferramenta em formato de arma que tornou possível a sociedade humana.

Entre os chimpanzés, os machos alfa são fisicamente dominantes e conseguem derrotar qualquer rival, mas as armas ajudam a equalizar o jogo: quando todos os machos se armaram, o custo para monopolizar uma grande quantidade de fêmeas se torna muito mais alto.

Para ler a continuação deste artigo, acesse:

http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/891780-humano-evoluiu-impulsionado-por-desenvolvimento-social-e-armas.shtml

NEW YORK TIMES

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





Clique aqui para baixar o Acrobat Reader