> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Café Cultural
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Boa noite
Sexta-Feira , 24 de Outubro de 2014
>> Avaliação Interna
   
 
O professor e o supervisor ante a avaliação da aprendizagem

Zélia D. Mediano


A autora discute, neste texto, a função pedagógica do supervisor junto à escola e aos professores. Como auxiliá-los a repensar a questão da avaliação.
Para ela, caberia ao supervisor auxiliar os professores a repensar a questão da avaliação. Subsidiá-los, orientá-los, para que possam ter mais clareza sobre: O quê avaliar? Para que avaliar? Como avaliar?
Assim o supervisor estaria ajudando o professor a afinar seu instrumento de avaliação aos objetivos propostos.

Clique aqui para ler o texto na íntegra. Para isso você precisa ter o programa Acrobat Reader. Para instalá-lo, clique aqui.

"A criação de uma proposta filosófico-política e de uma proposta pedagógica tem de levar em conta também a segunda pergunta colocada no início desta reflexão: "Quem são os alunos com os quais vamos trabalhar? Que características têm?". Qualquer proposta fracassará se não levar em conta a clientela a que se destina - no caso da Escola Pública, essa clientela é composta primordialmente de crianças das camadas populares, apresentando um cultura e um dialeto, em geral, diferentes daqueles que a escola usa e deseja generalizar. Porém, quando dizemos: levar em conta a clientela da camada popular, não significa um "barateamento do currículo", um "empobrecimento dos conteúdos" ou uma "diminuição das exigências."

"Em todos esses trabalhos, o que sobressai, como principal fator para o sucesso da escola, é a presença de um supervisor que vê sua tarefa como essencialmente pedagógica, que está junto com os professores, discutindo com eles os problemas e buscando as soluções, conhecendo as crianças, enfim, o fato de a escola contar com alguém preocupado com o ensino e que busca meios de auxiliar o professor a tornar sua tarefa menos árdua contribui sobremaneira para o sucesso da escola."

"Entretanto, vemos crescer a convicção de que um supervisor com visão pedagógica de sua tarefa, desenvolvendo seu trabalho junto e com os professores, é o mais forte agente de formação e transformação da prática do professor."

"Parece-nos, pois, que professores e supervisores devem colocar a força do trabalho de avaliação na construção do conhecimento pelo aluno, nas aprendizagens específicas, de acordo com a proposta filosófica-política que apresentamos no início. Obviamente, enquanto o aluno estiver realizando todo esse processo intelectual, está desenvolvendo e crescendo como pessoa. Entretanto, a avaliação destes aspectos não-cognitivos não é o foco de avaliação na escola."

"GIMENO (1988) também discute esta questão, afirmando que a seleção de uma técnica de avaliação expressa uma opção educativa. Os supervisores precisam discutir este aspecto com os professores, pois o modo de coletarem dados para a avaliação pode interferir no processo de construção do conhecimento pelos alunos, os quais são muito hábeis para captar o que o professor deseja como resposta."

"Na escola de 1o. Grau, e especialmente no seu primeiro segmento, não deve haver mecanismos seletivos nem classificatórios. A escolarização visa dar ao aluno uma educação básica a que todo cidadão tem direito e, dessa forma, a seleção é uma violência a esse direito. Selecionar para quê?"

Publicação: Série Idéias n. 8. São Paulo: FDE, 1998
Páginas: 81-93

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





 Download do      arquivo

Clique aqui para baixar o Acrobat Reader