> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Boa tarde
Quinta-Feira , 01 de Dezembro de 2022
>> Saúde
   
 
Drogas: uma questão de liberdade

Lídia Rosemberg Aratangy


A autora discute o uso de drogas em nossa sociedade e questiona alguns valores que envolvem o tema. Enumera, por exemplo, o que leva um adolescente a experimentar drogas e a questão da liberdade individual. Dessa forma, alimenta o debate em torno da problemática e fornece informações que poderão ser traduzidas posteriormente em ações críticas e eficazes no trabalho na sala de aula.

Clique aqui para ler o texto na íntegra. Para isso você precisa ter o programa Acrobat Reader. Para instalá-lo, clique aqui.

"Como respeitar a genialidade que habita tantos adolescentes, sem provocar a loucura que se esconde por trás dela? Como estimular a valentia dos nossos jovens sem favorecer a violência e a criminalidade? O desafio está em combater o vício das drogas, sem inibir essa preciosa inquietação que leva o Homem a buscar conhecer sempre mais."

"Na fonte primordial de onde brotam os impulsos, não existem ainda o bem e o mal. O que move uma pessoa em direção à droga está, na origem, muito perto do que levou o homem a se debruçar sobre o microscópio, ou a olhar através de um telescópio - o mesmo que impulsionou tantos em direção ao sextante, aos mares bravios, às aventuras espaciais. Esse movimento de expansão, que nos empurra às grandes descobertas, afrontando o desafio do desconhecido, é parte do arsenal que nos fez humano - reflexo do desejo de conhecer sempre mais, da ousadia de romper limites."

"Para exercitar uma escolha livre, é preciso conhecer a própria necessidade, (...) conhecer as opções possíveis, e conhecer as implicações de cada uma das possibilidades de ação. (...) . Se o impulso que leva um indivíduo a experimentar uma substância psicoativa é o desejo de romper as barreiras da realidade cotidiana, o resultado dessa experiência pode ser a criação de barreiras ainda mais limitantes, que estreitarão cada dia mais seu campo de interesse."

"Este é o drama central da educação (em casa ou na escola): temos de nos basear na experiência de ontem, para educar hoje aqueles que vão enfrentar o mundo amanhã. (...) Cabe à escola ajudar a criança a formar seu próprio código de ética, baseado na tolerância e na generosidade. Esta é a base da formação de um cidadão ético, único caminho para se chegar a uma sociedade mais justa."

Publicação: Série Idéias n. 29, São Paulo: FDE, 1996
Páginas: 109-118

Para mais informações clique em AJUDA no menu.

 





 Download do      arquivo

Clique aqui para baixar o Acrobat Reader