> Sistema Documentação
> Memorial da Educação
> Temas Educacionais
> Temas Pedagógicos
> Recursos de Ensino
> Notícias por Temas
> Agenda
> Programa Sala de Leitura
> Publicações Online
> Concursos & Prêmios
> Diário Oficial
> Fundação Mario Covas
Bom dia
Sexta-Feira , 02 de Dezembro de 2022
>> Ambientes de Aprendizagem
   
 
Vida na escola: o intrigante jogo de aparências.

Regina Leite Garcia


Impulsionada pelo calor e pelo entusiasmo com o impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello, Regina Garcia discute os efeitos que este exercício de cidadania e de democracia, pelo qual passava a população brasileira, traria para a escola.

"A sociedade, neste momento, está sinalizando o papel da Escola. Cabe a nós, profissionais da Escola, darmos respostas pedagógicas que sintonizem com o movimento social mais amplo. Se é verdade que a "capacidade de fiscalização do povo se apurou", este povo vai querer fiscalizar a Escola, exigindo para seus filhos uma Escola de qualidade, vai querer participar da definição desta "qualidade", vai querer fiscalizar as verbas destinadas à Educação (o que é destinado, o que é efetivamente gasto, como, por quem e para quem é gasto). E a Escola, que sempre se abriu, quando se abriu, para quem quis, como quis e quando quis, autoritária que sempre foi, vai ter de se acostumar a se manter sempre aberta aos usuários, agora para responder às suas perguntas e não para lhes ensinar a perguntar o que lhe interessava responder."

"Há inúmeras situações, que podem e devem ser vivenciadas desde a Pré-escola, durante toda a escolaridade, em que os alunos escolhem e assumem a responsabilidade da escolha coletiva. Desde escolher participar de um projeto e levá-lo a termo, até escolher o seu representante e assumir a responsabilidade de controlar a execução dos compromissos assumidos pelo escolhido. Trabalhos de grupo, Grêmio Estudantil, projetos coletivos, conselhos de Classe e de Série, Conselho de Escola, planejamentos participativos, gestão participativa e tantas outras oportunidades de convivência partilhada na Escola constituem-se em aprendizagens de democracia."

"A História nos deixa claro que os homens não são naturalmente solidários e que uma sociedade não se torna solidária por lei ou por resultado de uma mudança da base econômica. A sociedade solidária seria resultado de um longo processo de exercício democrático, de participação, processo este que deveria também ser desenvolvido na Escola."

Publicação: Série Idéias n. 23. São Paulo: FDE, 1994
Páginas: 121-126

Para mais informações clique em AJUDA no menu.